Educação ambiental

  • Sim
  • Sim
  • Sim

​​​​​​​​​​​​​​Meio ambiente que conecta​




Imersa no universo das empresas privadas, a comunicóloga, designer gráfica e especialista em marketing e redes sociais Samile Leal tinha uma inquietação: como suprir o seu desejo de contribuir para iniciativas sociais se os empregos pelos quais passava não lhe permitiam isso? 

Foi quando, em 2013, passou a dividir o seu tempo entre o emprego com carteira assinada e o trabalho freelancer. No ano seguinte, deparou-se com projetos sociais na região mais carente do bairro de Pituaçu, em Salvador. A ajuda veio naturalmente: Samile uniu o seu conhecimento com o seu ideal. Ela começou a gerir as redes sociais e a desenvolver peças gráficas e sites voluntariamente.

Entre 2015 e 2016, a maternidade a incentivou a priorizar o modelo de trabalho autônomo. Foi a oportunidade de mergulhar ainda mais fundo no voluntariado que ela sempre sonhou. Assim se deu a sua inserção no Coletivo Movimento Independente, através do projeto ‘Pituaçu em Rede Afetiva’, uma rede de produtores e artistas da cultura do bairro para fomentar essa cultura e potencializar o sentimento de pertencimento dos moradores.

Hoje, o Coletivo tem atuado com atividades em parques da capital baiana. E não é que já estão colhendo frutos? Eles ganharam, em 2019, uma chamada pública. Arte, cultura, meio ambiente, sociedade, preservação e respeito à natureza são temas que envolvem o projeto e suas ações.

E não para por aí. Samile promete avanços para 2020: "queremos desenvolver o projeto ‘Parques em Conexão’ com algo mais concreto, com oficinas de educação ambiental pautadas em atividades que tragam o pertencimento do espaço público com a natureza para os moradores de Salvador". Para isso, a designer quer agregar conhecimentos inovadores e maior organização atraindo empresas que acreditem nas mesmas causas que ela.

Só que o seu ideal não a impede de fazer questionamentos. "Me ver como empreendedora social é um desafio diário". Samile pergunta: precisamos ter um salário fixo? Precisamos estar em uma bolha conveniente para a sociedade? Para ela, fazer práticas sociais é o que mais a incentiva. Tudo faz sentido agora.

Compartilhar transforma vidas e, para isso, a comunicóloga pede que as pessoas não se esqueçam da nossa essência e do que nos faz ser seres humanos.


Confira aqui outras histórias da quarta temporada da série #RetratosNeoenergia:




​​







Quero:

Informações Relacionadas