​​A inclusão social aumenta a diversidade da empresa e gera benefícios para todos

     
  • Sim
  • Sim
  • Sim

​​​​​​Diversidade. Uma palavra tão presente na vida de milhares de pessoas atualmente. Junto a ela, vem um tema colocado em debate em todo o mundo: inclusão social. Podemos considerar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (PcD), 03/12, um momento importante para pensar e discutir sobre como o mercado de trabalho tem recebido esses profissionais, que precisam tanto serem inseridos e aceitos socialmente. Segundo pesquisa realizada pelo Ministério do Trabalho, em abril deste ano, existem mais de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência no Brasil. Dentre elas, 30 milhões já estão em idade de trabalhar, entretanto, apenas 19 milhões declararam ter alguma ocupação. Portanto, as barreiras ainda são grandes. 


A inclusão social no mercado de trabalho é fundamental. Ela aumenta a tolerância, auxilia a conviver em sociedade, traz mais bagagem cultural e proporciona a empatia. O trabalhador com deficiência não deve ser visto apenas como parte de um projeto de “caridade" ou parte de uma cota, mas sim como um integrante real da empresa, e, para isso, as organizações precisam se preparar para receber essas pessoas, trabalhando as equipes e adaptando as estruturas do ambiente de trabalho.


 





A presença de profissionais com deficiência no mercado de trabalho tem crescido no país. Um levantamento feito pelo Ministério do Trabalho revelou que, em 2018, o número de contratações de pessoas com deficiência bateu recorde no Brasil, com mais de 46,9 mil profissionais ingressando no mercado de trabalho, um crescimento de 20,6% em relação ao ano de 2017. Os números do ano passado são os maiores desde 2003, quando começaram a ser registrados. 


REGULAMENTAÇÃO

Hoje, o país conta com a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei 13146/15), que se destina a “assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania". E parte do resultado da pesquisa do MTE é uma consequência da lei das cotas, que obriga empresas com mais de 100 funcionários a terem em suas equipes de 2% a 5% de pessoas com deficiência. Para o serviço público, a lei determina que sejam reservadas até 20% das vagas de concurso público para pessoas com deficiência. 



NOVO OLHAR

A Neoenergia, como empresa socialmente responsável e alinhada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, por meio da Celpe​, desenvolveu o Programa Novo Olhar, iniciativa que proporciona a pessoas com deficiência intelectual experiência profissional e psicossocial. 

Para obter resultados concretos, a Celpe estruturou um ambiente profissional que abrange as mais diversas áreas de aprendizado para uma pessoa com deficiência intelectual. ​O objetivo do projeto é transformar o ambiente corporativo numa experiência inclusiva e agregadora para esses profissionais.



 

Durante o período em que estão na empresa, 25% do tempo é voltado para a realização de atividades para estimular raciocínio lógico, linguagem, compreensão, planejamento e rotina operacional. Além disso, eles são acompanhados diariamente por uma equipe multidisciplinar, com foco no desenvolvimento, resultados e inovação. A Metodologia Murakami de aprendizagem individualizada e personalizada também é aplicada pelo projeto e permite desenvolver a cognição e ampliar a capacidade intelectual, incentivando-os a ir além do mero atendimento de tarefas corporativas. 





“A iniciativa é desenvolvida há mais de dois anos e os jovens apresentam um alto desempenho nas tarefas que desenvolvem", comenta Daniela Motta, gerente de Recursos Humanos da Celpe.






AÇÕES SIMPLES

Você sabia que a inclusão social no mercado de trabalho pode acontecer com ações simples, mas de trabalho diário, além do cumprimento de leis? Confira: 



  • Analisar a acessibilidade da empresa: estrutura, elevadores, rampas, banheiros e mobilidade nas salas, por exemplo;

  • Convidar palestrantes que possam falar com os colaboradores sobre inclusão social com propriedade;

  • Revisar o processo de contratação de colaboradores da empresa e suas ferramentas de comunicação;

  • Colocar a inclusão social como parte dos valores da empresa. Ela pode ser até um indicador social, que deverá ser analisado continuamente;

  • Preparar gestores para que saibam tornar o ambiente de trabalho mais inclusivo.






Informações Relacionadas