17/11/2021

Tecnologia de Self Healing da Neoenergia beneficia mais de 4 milhões de clientes

    tecnologia


  • Sim
  • Sim
  • Sim

self-healing 

Projeto é finalista S&P Global Platts Global Energy Awards, uma das principais premiações do segmento no mundo 


A digitalização e a automação das redes são fundamentais para a transição energética e, por isso, estão no foco da estratégia da Neoenergia. Os sistemas de Self Healing Descentralizado (SHD), que restabelecem o fornecimento de energia de forma automatizada, são uma das principais iniciativas adotadas pela companhia. A implantação tem sido ampliada e, hoje, há mais de 2,5 mil equipamentos religadores com essa tecnologia, beneficiando aproximadamente 4 milhões de clientes nas cinco distribuidoras – Neoenergia Coelba (BA), Neoenergia Pernambuco (PE), Neoenergia Cosern (RN), Neoenergia Elektro (SP e MS) e Neoenergia Brasília (DF). 


O projeto da companhia é reconhecido no setor elétrico e é finalista da premiação internacional S&P Global Platts Global Energy Awards, na categoria Engineering Solution of the Year (Solução de Engenharia do Ano). Os vencedores do prêmio serão anunciados no 9 de dezembro, em um evento que será realizado em Nova York. 

“Esse reconhecimento é uma demonstração da nossa capacidade de inovação e no desenvolvimento de novos e avançados recursos que contribuem com todo o setor elétrico. O sistema de Self Healing Descentralizado da Neoenergia opera com lógicas robustas e detalhadas, adequada para a realidade das nossas distribuidoras e se destaca por ter sido desenvolvido pela nossa equipe de automação de redes”, diz Daniel Picchi, gerente de Padronização e Implementação de Smart Grids da Neoenergia. 


O sistema desenvolvido pela Neoenergia promoveu melhorias para a interoperabilidade entre equipamentos diferentes fabricantes. O self healing é instalado em religadores, que passam a operar manobras de forma automatizada se houver ocorrências como quedas de árvores, descargas atmosféricas ou ações de animais. A área atingida pelo problema é isolada e o maior número de consumidores pode ter a energia restabelecida em até 60 segundos. Os equipamentos são integrados ao Centro de Operações Integrada (COI), que recebem a localização exata da falha, agilizando também o trabalho de eletricistas se houver a necessidade de reparos em campo. 


Com o uso do sistema, podem ser reduzidos o tempo de restabelecimento do fornecimento de energia após ocorrências como quedas de árvores, descargas atmosféricas ou ações de animais. Além disso, pode levar a uma diminuição no número de clientes atingidos por esses problemas. “Nossas distribuidoras e seus consumidores ganham mais qualidade e confiabilidade no fornecimento de energia”, afirma Picchi. 

  

Qualidade no fornecimento 

O resultado positivo dos investimentos da companhia em automação de redes é demonstrado ainda nos parâmetros de qualidade determinados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), mostrados no DEC – indicador que mede, em horas, a duração média de interrupções no fornecimento. Neoenergia Coelba, Neoenergia Pernambuco, Neoenergia Cosern e Neoenergia Elektro têm resultados melhores do que o limite regulatório. A distribuidora da Bahia, por exemplo, apresentou DEC de 10,60 no terceiro trimestre de 2021, abaixo dos 12,35 registados no mesmo período do ano passado e melhor do que o previsto pelo órgão regulador, que era de 13,68. 

Em seis meses sob gestão da companhia e recebendo robustos investimentos em automação de redes, a Neoenergia Brasília, apesar de apresentar indicador ainda não abaixo do regulatório, já tem DEC expressivamente melhor. O registrado no terceiro trimestre de 2021 foi 8,80, menor do que os 9,26 do mesmo período de 2020, quando ainda não fazia parte do grupo.


 

Informações Relacionadas