21/08/2022

Neoenergia promove Semana da Sustentabilidade e reforça posicionamento na descarbonização da economia

    sustentabilidade; descarbonização


  • Sim
  • Sim
  • Sim

Foto de aerogeradores em parque eólico

Combinar uma rota de mitigação de emissões de carbono a medidas de adaptação para lidar com os desafios de uma transição energética mais justa. Este foi um dos apontamentos realizados durante a Semana da Sustentabilidade da Neoenergia. No evento virtual, idealizado para reforçar a disseminação e alinhamento do conhecimento aos colaboradores, além da jornada do conhecimento sobre boas práticas da companhia, foram realizadas rodas de diálogos com especialistas que conversaram sobre a descarbonização, responsabilidade social, governança, financiamento verde, entre outros temas presentes nas metas ESG da Neoenergia.

“As oportunidades no cenário brasileiro superam muito os riscos associados à descarbonização. A mitigação (redução das emissões) junto com a adaptação (como lidar com o que já está presente, como o aumento da temperatura) são estratégias importantes para enfrentar a mudança climática. Idealmente, devem ser usadas as duas medidas", apontou Suzana Khan, vice-diretora e professora da COPPE/UFRJ, convidada do painel Ação Climática e Mercado de Carbono.

A sessão, mediada por Solange Ribeiro, diretora-presidente adjunta da Neoenergia, também contou com Marina Grossi, presidente do CEBDS e conselheira da Neoenergia. “O mercado e a precificação de carbono têm o potencial para direcionar investimento, responder à pressão do consumidor e para valorar algo que não está sendo computado hoje e que hoje é o principal desafio da humanidade", sinalizou Marina Grossi.

A governança corporativa é hoje uma das principais preocupações das empresas, que se dedicam a iniciativas éticas e transparentes em seus processos. O assunto, mediado por Denise Faria, superintendente de Governança da Neoenergia, contou com a participação de Denísio Delfino, Conselheiro da Neoenergia, Professor da IDP Brasília e da FGV São Paulo, e de Regina Nunes, conselheira da Iberdrola e da Cielo e CEO e Sócia Fundadora RNA Capital. 


Denisio Delfino explicou a relevância da governança nas práticas organizacionais e o que ela significa. “O 'G' é quebrado em duas partes: Governança corporativa e Comportamento corporativo. Comportamento é integridade, toda questão ética, de compliance, mecanismos de risco e mitigação, banimento de práticas anticompetitivas etc. E a governança corporativa, é como o Conselho está estruturado, se tem diversidade, se os comitês que assessoram esses conselhos funcionam em sua plenitude, entre outras questões", detalhou.

O painel mencionou a criação do Comitê de Sustentabilidade da Neoenergia, com representatividade em sua formação diversa entre colaboradores. Regina Nunes avaliou a importância da iniciativa em termos institucionais. “O objetivo da companhia é evoluir o ambiente corporativo e o desempenho da corporação em termos de produtividade e resultados econômico-financeiros. Na Neoenergia, as ações de compliance são bastante robustas; em gestão de antissuborno, ganhou o certificado da ISO 371001 e conquistou pela quarta vez o selo de empresa pró-ética", pontuou Regina Nunes.

No âmbito de atuação social, as oportunidades destacadas na Semana da Sustentabilidade Neoenergia foram as parcerias e conexões. “Aprendemos na pandemia que não deve existir concorrência no terceiro setor. Não temos que estar preocupados se uma marca vai aparecer mais que outras. Vamos fazer juntos. As conexões e parcerias têm poder transformador", afirmou Renata Chagas, diretora-presidente do Instituto Neoenergia, durante o painel S (Social) de ESG.

Fábio Silva, presidente do Transforma Brasil, que também participou do painel, ressaltou a importância do trabalho voluntário dentro das organizações, e como as ações sociais geram benefícios para os colaboradores dentro e fora das empresas. “O grande ganho do voluntariado é pessoal. Essa competência também pode ajudar no campo profissional, já que empresas estão valorizando aqueles que realizam trabalho voluntário, possuem uma causa, engajamento e propósito", destacou Fábio Silva. A sessão também contou com a presença de Francisco Carvalho, superintendente corporativo de Inovação e Sustentabilidade da Neoenergia.

No painel Finanças Sustentáveis, mediado pelo diretor-executivo de Finanças e de Relações com Investidores da Neoenergia, Leonardo Gadelha, ganharam destaque os benefícios dos títulos verdes como alocação de recursos para investir em sustentabilidade. “Embora hoje falemos que o investimento em sustentabilidade é um nicho, essa vai s​er a forma de se fazer negócios no futuro. Quem começa hoje tem uma vantagem muito clara de estabelecer um caminho sólido de desenvolvimento e crescimento nos fatores ESG", destacou Ana Buchaim, diretora da B3, convidada do painel.

Também participaram das rodas de diálogo: Renata Koga, gerente de sustentabilidade e mudanças climáticas da Neoenergia; Melissa Bivar, co-fundadora da Social Contemporâneo e designer em sustentabilidade pela Gaia Education; Gustavo Pimentel, CEO da NINT; e Larissa Testoni, gerente de Responsabilidade Social Corporativa da Neoenergia.


 



Informações Relacionadas