22/06/2022

Diretora da Neoenergia afirma que diversidade tem papel fundamental na transição energética

    sustentabilidade


  • Sim
  • Sim
  • Sim


A visão das lideranças femininas em suas áreas de atuação e a preocupação com a diversidade nas empresas foram os destaques do painel que teve a participação de Laura Porto, diretora de Renováveis da Neoenergia, durante o Estadão Summit ESG, realizado nesta quinta-feira (23). A executiva afirmou que o cenário de transição energética para a descarbonização da economia vai exigir soluções inovadoras e disruptivas, que estão ligadas à diversidade em variados aspectos, como gênero, raça e idade. Para ela, o “3D [descarbonização, descentralização e digitalização] e o 5D [além das três primeiras dimensões, desenho de mercado e democratização] não podem existir se não tiver inclusão da mulher na liderança".

O alerta às empresas que já se anteciparam à transição energética, como a Neoenergia, é para pensar nas iniciativas necessárias para se destacarem diante da competitividade do mercado. A diretora destacou a importância da promoção de ações afirmativas e atitudes das lideranças no dia a dia para inspirar colaboradores. Além disso, Laura Porto reconheceu que a atuação da mulher na sociedade e no mercado de trabalho precisam estar amparadas por políticas inclusivas de contratação, promoção e retenção de talentos.

É importante, em um mundo competitivo, haver políticas de retenção. Hoje, temos códigos de ética que garantem as mesmas oportunidades. Contamos com políticas inclusivas, de diversidade, de equidade e de recursos humanos, todas aprovadas e discutidas. Isso coloca o ASG como pauta real e não como discurso teórico", apontou.

Laura Porto ressaltou também o exemplo da Escola de Eletricistas, iniciativa da Neoenergia que tem o objetivo de gerar oportunidade de trabalho e renda, por meio da formação e capacitação de profissionais para o setor elétrico. O projeto possui turmas exclusivas para mulheres e incentivo à participação feminina em turmas mistas. Mais de 400 mulheres já concluíram os cursos e cerca de 270 foram contratadas pelas distribuidoras do grupo desde o início do projeto, em 2017.

A executiva reforçou que a companhia busca ampliar os números de mulheres em posições executivas e cargos operacionais. Além disso, citou o apoio da empresa à seleção brasileira de futebol feminino e ao campeonato nacional de clubes, o que fortalece o esporte como agente de mudança social capaz de ampliar a participação da mulher no contexto social e profissional.

A companhia incentiva ainda o empreendedorismo e a liderança social de mulheres com ações do Instituto Neoenergia – como o Impactô Mulheres, projeto de aceleração social, e o Prêmio Inspirar, de reconhecimento de lideranças femininas, que, somadas a outras iniciativas, beneficiaram diretamente 989 mulheres em 2021 –  e o apoio às populações do entorno dos projetos da companhia, incluindo, por exemplo, as mulheres de comunidades quilombolas localizadas próximo a Neoenergia Chafariz e Neoenergia Luzia, complexos eólico e solar no Sertão da Paraíba.


 



Informações Relacionadas