Dia de Proteção à Floresta, uma data para reflexão

  • Sim
  • Sim
  • Sim

​​​​​​​​​​​​​​​​​​No Dia de Proteção à Floresta, um alerta sobre o desmatamento na Amazônia 

​​​​




O Dia de Proteçã​o à Floresta, 17 de julho, é uma data importante para a reflexão e conscientização sobre a necessidade de todos os cidadãos agirem em prol do meio ambiente, seja adotando pequenas ações no dia a dia, denunciando irregularidades ou cobrando medidas severas para quem desrespeita as leis ambientais. Todos os anos, fala-se intensamente sobre o assunto, mas ainda estamos muito aquém do cenário considerado satisfatório. Muito pelo contrário: dados recentes divulgados por instituições especializadas em analisar o meio ambiente mostram um quadro alarmante no Brasil.

No mês de junho de 2019, o Brasil perdeu o equivalente a quase três vezes a área da cidade de Belo Horizonte (MG) em consequência do desmatamento na Amazônia. Foram devastados mais de 920,21 km² de mata nativa. Em junho de 2018, a destruição foi de 488,4 km². Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)​, que constatou um aumento de 88% no desmatamento da Amazônia em junho de 2019 na comparação com o mesmo mês de 2018.​​



​​

Se levados em consideração os dados acumulados de 2019, é possível constatar que o país teve uma redução de cerca de 1,5 vez o território da cidade de São Paulo: 2.273,6 km². Este é o pior índice desde 2016, de acordo com o sistema de monitoramento de alertas do Inpe, que capta imagens de satélites do desmatamento em tempo real.

Segundo o Inpe, o problema ocorre principalmente em quatro estados: Pará, Amazonas, Mato Grosso e Rondônia. Só na cidade de Juara (MT), estima-se que tenham sido cortadas mais de 300 mil árvores em junho.

Na avaliação dos pesquisadores, o desmatamento pode estar associado à expansão de atividades na região, que pode ser por grilagem de terra, mineração ou expansão da agricultura. ​

MUDANÇAS NO CLIMA

A destruição das florestas é a segunda maior causa das mudanças climáticas, só perde para a queima de combustíveis fósseis, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO). As emissões geradas pela devastação das matas são maiores que as de todo o setor de transporte. Por ano, as florestas são capazes de absorver cerca de 2 bilhões de toneladas de CO2. Mas quando são desmatadas, as coberturas vegetais do planeta se transformam em aceleradores do aquecimento global. ​​​



IMPACTO NO BOLSO



Parece muito distante falar sobre florestas e sobre desmatamento para quem vive nos grandes centros urbanos e com pouco contato com grandes áreas verdes. Mas, vale ressaltar que a destruição das árvores na Amazônia pode ter impacto no bolso de brasileiros de diversas áreas do país. Isso porque, segundo especialistas, quando há o desmatamento de uma área muito grande como aconteceu este ano, há consequências na quantidade de chuva.​


 

​A explicação é a seguinte: parte das chuvas que ocorrem no Brasil tem origem no fenômeno da evapotran​spiração, que é o processo de transferência de vapor d’água para a atmosfera pela evaporação de solos úmidos e pela transpiração das plantas. Isto é, a evapotranspiração é resultado da evaporação e da transpiração nas florestas e se dá quando a água da superfície terrestre passa para a atmosfera no estado de vapor, gerando a chuva.

Com menos área plantada por causa do desmatamento temos menos chuva, o que fazer com que as usinas termelétricas tenham que ser acionadas para a geração de energia. Como este tipo de geração tem um custo mais alto, quem paga é o consumidor através da conta de energia, que fica mais cara como consequência das bandeiras tarifárias. ​​​​​




























GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA


Na Neoenergia, utilizamos toda a nossa expertise e experiência na geração de energia limpa e renovável no Brasil, para que, cada vez mais, o setor elétrico caminhe na direção de um futuro sustentável. Reforçamos nosso compromisso com a ecoeficiência quando fazemos o uso sustentável dos recursos naturais e atuamos com eficiência na produção e uso da energia, na redução de emissões, na proteção da biodiversidade e na gestão dos resíduos e da água.

Na região da Amazônia, operamos a Usina Hidrelétrica (UHE) Teles Pires, localizada no Rio Teles Pires, na fronteira do Pará e Mato Grosso; e a Usina Hidrelétrica (UHE) de Dardanelos, no Mato Grosso. ​


 

A Usina Hidrelétrica Teles Pires​ viabiliza o desenvolvimento de projetos ambientais que atuam na preservação da fauna, flora, água e solo local para minimizar os possíveis impactos das regiões ao seu redor. Além disso, desenvolve projetos socioeconômicos para alavancar o desenvolvimento sustentável.

Já a Usina Hidrelétrica deDardanelos​ tem a melhor relação entre área inundada e quantidade energia gerada no Brasil: uma capacidade instalada de 261 MW para um reservatório de 0,24 km². Isso significa dizer que o território ocupado pelas águas da usina é muito bem aproveitado para a geração de energia. A área de influência da UHE Dardanelos é o município de Aripuanã.

REUTILIZAÇÃO DE BOBINAS PARA PRESERVAR ÁRVORES

O Projeto Logisverde é uma iniciativa da Neoenergia, que tem como objetivo fomentar a logística reversa nas distribuidoras do grupo.

Por meio do projeto, parte das bobinas (carretéis) empregadas no transporte dos fios condutores (material utilizado nos serviços de manutenção das redes) são revendidas para as fabricantes, proporcionando às companhias um lucro financeiro, além do correto direcionamento do material. Em onze anos de aplicação do projeto, mais de 55 mil carretéis foram devolvidos aos fabricantes, com arrecadação superior a R$ 600 mil, além de 20 mil árvores que deixaram de ser derrubadas.

O projeto funciona da seguinte forma: após o recebimento dos carretéis com condutores, o material é direcionado à utilização de acordo com a obra a ser realizada. Após o término da obra, ao invés de ser simplesmente descartado pela empreiteira, o carretel é desmontado (para melhor transporte) e redirecionado para a fabricante que o reaproveita como embalagem de novos condutores.

A adoção das diversas medidas em prol do meio ambiente por parte das empresas do Grupo Neoenergia atende ao objetivo número 13 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que prevê “tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos”. Os ODS fazem parte de uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, em 2015, composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030 por diversos países.

COMO FAZER A SUA PARTE A FAVOR DO MEIO AMBIENTE

- Usar produtos feitos com madeiras de reflorestamento, normalmente identificadas com um selo ou certificado; 

- Não colocar fogo em matas; 

- Não jogar lixo no meio ambiente; 

- Dar sempre prioridade aos papéis recicláveis; 

- Não jogar cigarros ou objetos em combustão em florestas, por exemplo.

- Incentivar as crianças a amar a natureza e a entender a importância da biodiversidade, plantando árvores e não jogando lixo no meio ambiente;

- Sempre que possível, frequentar parques, praças e locais para ter contato direto com a terra, árvores e plantas. A melhor forma de cuidar é estar integrado com a natureza!​

Quero:

Informações Relacionadas