25/06/2019

Consumo sustentável: práticas para eliminar os impactos ao meio ambiente

    desenvolvimento sustentável; sustentabilidade; meio ambiente
  • Sim
  • Sim
  • Sim

​​​​​​​​​​​​​​​​​

Você sabia que o Brasil é o 4º país do mundo que mais gera lixo plástico e que só recicla 1% desses resíduos? É o que revela estudo da ONG WWF - Fundo Mundial para a Natureza. De acordo com o levantamento, realizado pela entidade, 104 milhões de toneladas de plástico irão poluir o ecossistema até 2030, se não houver mudança em relação ao uso do material.

Diante desse cenário, é importante refletir sobre nossas atitudes e adotar algumas práticas sustentáveis que farão grande diferença no nosso dia a dia.

Um exemplo prático e recente está relacionado às tradicionais festas juninas. Nessa época do ano, todo mundo se diverte muito, come muito e também se arruma muito, não é? Meses antes do início dos festejos, roupas, acessórios e itens de decoração já começam a ser confeccionados para deixar o evento bem caprichado e especial.

Uma infinidade de itens é utilizada para compor o tão esperado São João: papel, palha, tecido, tinta, maquiagem, plástico, papelão e, claro, ingredientes para preparar as receitas das deliciosas comidas típicas.

Tanta produção e tanto consumo podem significar também mais custos para o bolso e mais impacto no meio ambiente, assim como mais lixo e até mesmo desperdício.

Por isso, é importante chamar atenção para a necessidade de se promover o consumo sustentável. 


O QUE É CONSUMO SUSTENTÁVEL?


Consumo sustentável é a escolha consciente e responsável por itens que são produzidos com menos recursos naturais, de forma a não prejudicar o meio ambiente e que poderão ser facilmente reciclados ou reaproveitados. Na definição do Ministério do Meio Ambiente, significa comprar aquilo que é realmente necessário, estendendo a vida útil dos produtos tanto quanto possível. Agimos de maneira sustentável quando nossas escolhas de compra têm o meio ambiente como foco, com a compreensão de que terão consequências ambientais e sociais – positivas ou negativas.


Para adotar um consumo realmente sustentável, é fundamental promover uma significativa mudança de hábitos no nosso dia a dia. São pequenas atitudes que podem ter um resultado muito positivo a longo prazo. 


Por exemplo: em 2018, a festa de São João de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, teve um público de 2,5 milhões de visitantes nos 30 dias de programação nas zonas urbana e rural, segundo a prefeitura. Na ocasião, se cada pessoa tiver usado em média quatro copos descartáveis por dia de festa, significa que foram utilizados 10 milhões de unidades de copos. Se cada visitante tivesse levado de casa seu próprio copo reutilizável ou garrafa para consumir bebida na festa, o meio ambiente teria sido poupado de receber toneladas de lixo plástico, material que demora até 400 anos para se decompor. Vale lembrar que esse volume de resíduo ajuda a superlotar os aterros e lixões, o que acaba exigindo novas áreas para depositar tudo o que é descartado.  ​

 

INFOGRÁFICO: Consumo Sustentável São João [PDF] ​






SÃO JOÃO SUSTENTÁVEL

Customização de Roupas: em vez de comprar roupas e acessórios novos para a festa junina, é mais barato e ecologicamente correto reutilizar aquilo que é considerado resíduo (retalhos, fitas e roupas antigas) como matéria-prima para produzir novas peças. Por que jogar fora um chapéu de palha, por exemplo, se ele pode ser customizado e ganhar nova aparência?

Parece que não, mas a indústria da moda é uma das mais nocivas à natureza. Vale ressaltar que ela é uma das maiores e mais lucrativas do mundo, mas é também a segunda que mais polui, perdendo apenas para a de petróleo e gás. Os dados constam em uma p​esquisa da McKinsey & Company, empresa de consultoria empresarial dos Estados Unidos. Outros dados da pesquisa são alarmantes: o mundo consome cerca de 80 bilhões de novas peças todo ano, gerando 11 milhões de toneladas de resíduo têxtil apenas nos Estados Unidos. Nas fábricas, trabalham cerca de 40 milhões de pessoas, muitas delas recebem baixos salários, atuam em locais precários e com carga horária excessiva. Além disso, cerca de 90% do algodão é geneticamente modificado e cultivado com quantidades enormes de pesticidas, que poluem o solo, a água e provocam doenças nos trabalhadores das plantações.


Por isso, na hora de pensar na roupa da festa junina, faça uma escolha responsável. Dê preferência também aos tecidos que não amassam como acrílico, poliéster ou microfibra, suplex, nylon, acetato e elastano. Eles são práticos e dispensam o ferro de passar, assim você também economiza energia elétrica. 


Comidas Típicas: para muitos, a comilança do São João é o atrativo principal para comparecer às festas. Tem gente que passa o ano esperando o momento de comer bolo de milho, paçoca, pé de moleque e as tradicionais sopas e caldos que nos esquentam no inverno. Mas, onde tem muita comida pode ter também muito desperdício. E é aí que entra a responsabilidade de cada um na hora de produzir e consumir os alimentos oriundos das festas.


Quem trabalha com venda de comidas de festas juninas ou faz em casa para consumo da família pode elaborar diversas receitas com as sobras. Há várias dicas na internet, basta fazer uma busca para encontrar muitas receitas interessantes focadas em reaproveitamento de alimentos. Por exemplo: se tiver sobrado milho cozido, é possível fazer um delicioso bolo para o lanche. Os caldos e sopas podem ser congelados em vários potes pequenos para serem reaquecidos e consumidos aos poucos.


Aqui no Brasil, cerca de 10% dos alimentos disponíveis para consumo são perdidos. Dos 268,1 milhões de toneladas de alimentos disponíveis no país, 26,3 milhões são perdidos, segundo le​vantamento​ da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) com dados de 2013. Em todo o mundo, o percentual é ainda mais alarmante: 30% do total de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos produzidos por ano são desperdiçados, segundo estimativas da FAO. Diante disso, é fundamental que a população passe a adotar novos hábitos de consumo, além de os governos promoverem políticas públicas voltadas para o tema. Parece pouco, mas se cada um dos 210 milhões de brasileiros fizer a sua parte, a redução do desperdício será realmente significativa. 

 

Decoração: reaproveitar itens de decoração já usados em anos anteriores é outra boa forma de economizar dinheiro, produzir menos lixo e preservar o meio ambiente. Reserve um espaço no armário de casa, pode ser uma caixa, para guardar artefatos de decoração, como bandeirinhas, balões, sanfonas de papel, arranjos de mesa, itens de ornamentação de paredes, toalhas etc. Já parou para pensar em quanto se gasta de papel para produzir bandeirinhas? Em vez de usar novas, que tal fazer bandeirinhas de papel de embalagens, revista ou jornal?       ​

Dança: outra forma de aproveitar bem as festas de São João de forma saudável e sustentável é a dança. Não precisa ser nada muito elaborado nem profissional, o importante é se exercitar ao som de uma música, soltar o corpo e fazer bem para a mente. Entre os benefícios da dança estão: queimar calorias, aliviar o estresse e a ansiedade, aumentar a autoestima, tonificar os músculos, exercitar o equilíbrio e até ajudar a fazer novos amigos. Assim como outras atividades físicas, a dança lib​​​​​era endorfina no cérebro, substância que proporciona a sensação de bem-estar e tranquilidade.


Apostar em cuidados preventivos com a saúde, como ter boa alimentação e praticar atividades físicas, traz ainda retorno financeiro, já que pode haver economia com o custo de medicamentos, exames, consultas e internações.


Reportagem da revista Exame com dados da Amil mostra que mudanças nos hábitos de um grupo de 215.000 clientes da carteira da operadora que participam de um programa de promoção da qualidade de vida contribuíram para a redução na internação destas pessoas. Entre os pacientes com hipertensão, por exemplo, a porcentagem de internações dos que seguem o programa é quase 50% menor que aqueles que não participam.


Além de todos os benefícios já citados, quem dança pode economizar também na conta de energia elétrica. Em vez de ficar em casa vendo TV por horas, sair de casa para dançar pode significar uma economia anual de cerca de R$ 360 por ano na fatura. Uma TV de LED, por exemplo, que precisa de 120W para funcionar, ligada por 16h durante o dia, pode significar um custo mensal de R$ 30 na conta de energia.  


Todas estas dicas podem ser incorporadas ao dia a dia de cada um e é sempre importante ter em mente que todos os nossos hábitos de consumo trazem impacto para o meio ambiente, tanto para a geração presente quanto para as futuras.


Agora, que tal colocar a mão na massa?  Fizemos parcerias incríveis com dicas para um São João bem sustentável. ​​​​










​​​




 TUTORIAL DE MAQUIAGEM E PENTEADO





















COMO FAZER DECORAÇÃO DE FESTA JUNINA​​​

​​












​​

DICAS DE ROUPAS PARA USAR NO SÃO JOÃO​ 


















​​​

RECEITA TÍPICA DE FESTA JUNINA​​

​​








Quero:

Informações Relacionadas