Comando para Ignorar Faixa de Opções
Ir para o conteúdo principal
 
                                           
​Jovens com Síndrome de Down, do Recife, vivenciam experiência profissional inédita no Brasil​

Mais que uma oportunidade de inclusão no mercado de trabalho, a Celpe, distribuidora do Grupo Neoenergia em Pernambuco, desenvolve, junto aos aprendizes com Síndrome de Down, um projeto que propicia uma experiência profissional e psicossocial inédita no Brasil. Os jovens são acompanhados, diariamente, por uma equipe multidisciplinar, com foco no desenvolvimento, resultados e inovação por meio do Método Murakami.
A finalidade é estimular a cognição e ampliar a capacidade intelectual, incentivando a ir além do mero atendimento de objetivos corporativos.

Para isso, a Celpe estruturou um ambiente profissional que pudesse abranger as mais diversas áreas de aprendizado para uma pessoa com Síndrome de Down. Com uma equipe formada por fonoaudiólogo, psicólogo e educadores, a distribuidora de energia idealizou um espaço específico para o aprendizado no ambiente de trabalho. Os jovens foram alocados em áreas de atuação onde podem desenvolver desde atividades simples até de maior complexidade. O objetivo é transformar o ambiente corporativo numa experiência inclusiva e agregadora.

“A iniciativa é desenvolvida há mais de um ano e os jovens apresentam um alto desempenho nas tarefas que desenvolvem. Em novembro do último ano, um desses jovens, que era aprendiz, foi contratado pela empresa como assistente por conta da sua importante contribuição para a companhia”, comenta Daniela Motta, gerente de Recursos Humanos da Celpe.

Diariamente, os jovens podem desenvolver diversas habilidades, com foco nos resultados e crescimento profissional. As áreas que receberam esses profissionais pontuam que todos têm um alto desempenho dentro de suas tarefas e se mostram abertos ao novo aprendizado. Encontrar iniciativas que tenham foco no desenvolvimento cognitivo desse grupo de jovens não é comum no Brasil. Apesar de programas corporativos de inclusão de pessoas com Síndrome de Down, a maioria das empresas dedicam esforços apenas à demonstração da capacidade do jovem em cumprir as tarefas demandadas. No entanto, o foco no desenvolvimento intelectual acaba sendo esquecido dentro de algumas propostas.

METODOLOGIA – Os jovens encontram na empresa toda a estrutura preparada para um avanço não apenas no cumprimento das demandas, mas também no alcance de um incremento profissional e pessoal. A partir do acompanhamento por profissionais da psicologia, educação e fonoaudiologia, a partir da metodologia Murakami - modalidade de ensino por meio da articulação dos conhecimentos, propiciando ao jovem autonomia para a execução de atividades e resolução de questões do cotidiano com enfoque na compreensão/contextualização/argumentação e decisão - os jovens aprendem, no trabalho, a valorizar seus pontos fortes e aperfeiçoar os aspectos com necessidade de melhoria.

Com duração de 17 meses, a experiência pretende condicionar o jovem ao mercado de trabalho, gerando conhecimento e desenvolvimento. O objetivo da companhia é absorver esses profissionais de acordo com a evolução no desempenho. Perpetuar o conhecimento adquirido no projeto para outras empresas também é um dos motes da iniciativa, que pretende tornar o caso um exemplo a ser seguido, possibilitando o desenvolvimento de um mercado de trabalho cada vez mais inclusivo.​